Câmara Municipal de Sorocaba quer criar a “Frente Regional em Socorro à Saúde”

Rodrigo Manga quer criar “força-tarefa” regional para enfrentar problemas da Saúde/ Foto – Divulgação

O presidente da Câmara de Sorocaba Rodrigo Manga (DEM) e a Comissão de Saúde do Legislativo local anunciaram esta semana a criação de uma Frente Regional em Socorro à Saúde. A Câmara local estará à frente desse grupo, que deverá ser formado por vereadores dos 48 municípios ligados ao Departamento Regional de Saúde (DRS-1) e cuja população é atendida pelo Conjunto Hospitalar de Sorocaba (CHS).

“A iniciativa surgiu após a constatação de atendimento precário aos pacientes e equipamentos com problemas, além da falta de insumos básicos e medicamentos no CHS, durante arrastão realizado pela Câmara de Sorocaba no fim do ano passado. E ainda após as denúncias levantadas pela mídia de que médicos não cumprem o horário de trabalho nessa unidade regional”, destaca Manga.

A Frente Regional em Socorro à Saúde deverá ter a incumbência de fiscalizar a qualidade do atendimento, sobretudo no CHS, bem como buscar informações e demais dados que comprovem a real situação dessa instituição, tanto em caráter administrativo como financeiro. Ainda caberá aos vereadores desse grupo cobrar do Estado e do Governo Federal melhorias urgentes no atendimento aos pacientes atendidos nesta região paulista.

“Criamos uma comissão mista, convidamos a diretora do CHS para prestar esclarecimentos à Câmara, fomos até o secretário estadual da Saúde e ninguém assumiu as responsabilidades pela situação. Então, essa Frente será como uma ‘CPI Regional’. Vamos convidar todos os vereadores da região para participarem. Montaremos uma verdadeira força-tarefa em prol da melhoria da saúde pública em Sorocaba e região”, complementa Manga.

O “Periscópio” entrou em contato com o presidente da Câmara de Itu Manoel Monteiro (PRB), o Mané da Saúde, que informou ainda não ter recebido convite para que o Legislativo ituano integre a Frente Regional. Assim que receber, Mané disse que irá analisar para ver se ela realmente funcionará, não sendo algo apenas protocolar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *