Campanha de recolhimento de pneus segue até sexta-feira

Foto – Renata Guarnieri/Prefeitura de Itu

Até sexta-feira (17) ocorre a campanha “Livre-se daquele pneuzinho”, realizada pelo Governo do Estado de São Paulo em parceria com as prefeituras. Em Itu, participam desta ação a Subprefeitura da Zona Leste e as secretarias de Saúde e de Meio Ambiente e Recursos Hídricos.

O intuito é dar destinação correta para pneus que frequentemente são descartados incorretamente em terrenos, calçadas, contêineres, caçambas, entre outros locais inadequados.

Pessoas físicas que tiverem pneus para descarte podem levá-los até a Subprefeitura Zona Leste (antiga Semsur), das 8h às 16h. A Subprefeitura Leste fica na Praça Gaspar Ricardo, 20, Centro. Caso o descarte seja realizado por pessoa jurídica é necessário fazer um cadastro, caso não o tenha.

Durante a campanha, a expectativa da Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Recursos Hídricos é de que cerca de 500 pneus sejam recebidos para descarte correto. Posteriormente a Reciclanip, entidade gestora do sistema de logística reversa de pneus inservíveis no Brasil, irá fazer a retirada do material e dar a destinação correta para os mesmos.

Independente dessa campanha, a Prefeitura de Itu, durante todo o ano, promove o descarte correto de pneus. Empresas e borracharias podem fazê-lo na Subprefeitura Zona Leste, onde são recolhidas cerca de 7,5 toneladas de pneus por mês.

Descarte incorreto
O descarte incorreto de pneus pode ser considerado crime, principalmente se ocorrer em áreas verdes de proteção ambiental. Além disso, podem acumular água o que o torna ambiente propício para criadouro de larvas do mosquito Aedes aegypti causador da dengue, zika e chikungunya. Também podem servir de esconderijo para ratos, escorpiões, baratas entre outros animais causadores de doenças.

Estima-se que a decomposição de sua borracha, derivada do petróleo, leva milhões de anos. Quando queimado a céu aberto, o produto libera na atmosfera uma grande quantidade de substâncias tóxicas que podem causar a morte, quando inaladas em excesso.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *