O futuro depende do hoje

Por André Roedel*

Na última quinta-feira (13) eu acompanhei a “Roda Jovem”, projeto em que o prefeito Guilherme Gazzola vai até as escolas estaduais de Itu para estimular a consciência política entre os estudantes. Naquela manhã, a escola que recebeu a ação foi a E.E. “Sylvia de Paula Leite Bauer”, onde estudei no ensino fundamental – na verdade fiz a primeira e a oitava série, já que os demais anos cursei na E.E. “Rogério Lázaro Toccheton”. Duas escolas que tenho imenso carinho.

Me surpreendi positiva e negativamente ao adentrar a escola. O ponto positivo, além de encontrar uma escola muito arrumada (o que já tinha constatado no fim de 2017, quando participei de um Workshop de Profissões), foi ver que existem muitos alunos conscientes sobre os problemas da cidade. Garotos e garotas de 15 a 17 anos que vivem na periferia e sabem as dificuldades reais.

Já o negativo é ver que muitos se baseiam em informações que não procedem para formular suas opiniões. Se apoiam em posições de terceiros (alguns com interesses políticos pessoais) e, com isso, acabam perpetuando mentiras. Baseiam suas visões apenas através do que é relatado nas redes sociais e pelo que recebem em grupos de WhatsApp, ferramentas incríveis mas que têm sido usadas para disseminar conteúdos falsos (as chamadas “fake news”), proselitismos políticos e muito – mas muito – ódio.

Claro que existem demandas pendentes na cidade. Muitas delas atingem principalmente os jovens, como a questão do emprego e do transporte público. Mas é claro que nenhuma gestão vai dar cabo de resolver todas de uma hora pra outra. Independente disso, há de se entender a responsabilidade de cada um nesses problemas. E não jogar a culpa em quem não tem.

Trabalhar isso com os adolescentes para que eles sejam cidadãos conscientes no futuro só é possível com a educação, como o próprio Gazzola disse em seu discurso final, e com informação de qualidade – o que é de responsabilidade, também, da imprensa. Precisamos despertar nessa nova geração um espírito crítico e questionador, mas que busquem os dados corretos. Senão, os erros que são cometidos agora serão repetidos ad aeternum.

A “Roda Jovem” também ajuda a incutir um espírito esperançoso na juventude, cada dia mais desalentada. E isso não é só aqui em Itu, é mundial: um em cada dois jovens brasileiros com idade entre 19 e 25 anos corre sério risco de ficar fora do circuito dos bons empregos no país e, com isso, está mais vulnerável à pobreza. É o que apontou em 2018 o relatório “Competências e Empregos: Uma Agenda para a Juventude”, divulgado pelo Banco Mundial.

Essa pressão da sociedade somada a todas as questões de ordem emocional resulta em outro grande problema atual, também citado na “Roda Jovem”: o suicídio. De acordo com a OMS (Organização Mundial da Saúde), o suicídio é considerado a segunda maior causa de morte entre jovens de 19 a 29 anos.   A desesperança e toda as mazelas sociais do país – mais acentuadas em bairros periféricos – acabam por deixar a juventude cada vez menos animada em se envolver com as questões que a afetam – como a política, por exemplo. Que projetos como a “Roda Jovem” possam despertar nesses adolescentes uma conscientização maior, porque o futuro da humanidade depende somente deles.

* É chefe de redação do “Periscópio”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *