Outubro Rosa: os desafios do tratamento do câncer de mama em meio à pandemia

Outubro Rosa é o mês dedicado à conscientizar e alertar as mulheres sobre a importância da prevenção e do diagnóstico precoce do câncer de mama. A partir de 2011, a campanha acrescentou também a conscientização sobre o câncer do colo do útero.

Em 2020, em um ano atípico de pandemia, como ficou a rotina das mulheres diagnosticadas com o câncer de mama? Certamente os cuidados necessitaram ser redobrados. A reportagem esteve em contato com Terebê Toscano da Fonseca, de 65 anos, que foi diagnosticada com o câncer de mama nos dois seios em 22 de abril deste ano.

Terebê explica como vem sendo sua rotina. “Iniciei meu tratamento junto a Onco Itu (clínica especializada) com a Dra. Elisa (Watanabe Camargo) e toda equipe maravilhosa, atenciosa e humanizada. Fiz o ciclo das quimioterapias da vermelha (que tem como medicamentos utilizados pertencentes ao grupo das antraciclinas) de 21 em 21 dias e já estou em 50% da quimioterapia branca (que utiliza uma ampla gama de outros medicamentos)”, comenta. Terebê enaltece o acompanhamento recebido. “São pessoas maravilhosas. Estou falando isso com todo o meu coração.”

Após quase um mês de quimioterapia, a advogada começou a apresentar queda em seu cabelo, porém nada que abalasse a sua vaidade. “Eu já tinha decidido assumir que ficaria careca por questão de vontade, faz parte da minha personalidade, não me importando com o que as pessoas pensariam ou deixariam de pensar”, conta.

Demonstrando bastante positividade e tranquilidade para falar sobre a doença, a advogada prossegue falando sobre o tratamento. “Passei então a fazer a quimioterapia semanal, que eu conheço como terapia branca, tomo toda a medicação, sigo toda alimentação passada pela nutricionista, as vitaminas, e estou sendo acompanhada, antes de ter conhecimento do câncer, por psicanálise e psiquiatra”.

Terebê acrescenta. “Estou medicada, não tive problema emocional nenhum em receber a notícia, pois já estava desconfiada. Tirei e tiro de letra esse problema, inclusive com todo o apoio das amigas que já tiveram, das amigas que têm. Nós trocamos muitas ideias, uma dando força para a outra. Tanto que nem lembro que tenho câncer”.

Questionada a respeito da preocupação com o tratamento em meio à pandemia de Covid-19, Terebê é categórica. “Não tive e não tenho preocupação nenhuma em relação à pandemia. Todos lá (na clínica) são muito bem preparados para isso, assim como eu. Toda hora estão desinfetando, utilizam máscaras, luvas, é tudo maravilhoso”.

Faltando aproximadamente um mês e meio para o término da quimioterapia branca, Terebê – que após esse período terá um descanso antes de passar por cirurgia e na sequência passar a ter sessões de radioterapia – aproveita para deixar uma mensagem. “O que deixo de coração para todos vocês que vivem o mesmo problema que estou vivendo é que tenham fé em Deus acima de tudo e acreditarmos em nós mesmos que temos a força para vencer e depois de muita luta, o sucesso vai nos alcançar”.

A advogada acrescenta. “E que saibamos valorizar e agradecer a Deus e aqueles que sempre nos apoiaram, estiveram e estão ao nosso lado, pois enquanto a sua força de vencer for maior do que seus medos, nada será impossível de conquistar”.

Cuidados necessários

Ao JP, a Dra. Camila Oliva Zanotto Alfieri, enfermeira oncologista e paliativista da Onco Itu – Instituto de Tratamento Unificado em Oncologia, comentou sobre tratamentos do câncer em meio à pandemia e os cuidados tomados.

“Estamos diante de uma triste realidade, a pandemia pelo novo coronavírus, que vem desafiando a todos a se reinventarem. O fato é que, apesar de todas as adaptações e mudanças, não podemos parar, a vida continua e precisamos nos adaptar a nova realidade que nos foi imposta. Temos que tomar atitudes para contenção do vírus, mas nos lembrar que manter nossos tratamentos de saúde em dia continua sendo importante, já que algumas doenças são potencialmente graves se não tratadas a tempo, especialmente quando falamos de câncer”, explica.

“A campanha do Outubro Rosa, já bastante conhecida há alguns anos, faz um alerta para a população sobre a necessidade de prevenção deste tipo de tumor, mas também sobre o diagnóstico precoce dessa doença. E esse ano, além disso, ressaltando a importância de manter as rotinas de autocuidado, exames periódicos e tratamento do câncer, mediante o cenário da pandemia de Covid-19 e a queda de diagnósticos e o aumento de detecção tardia que esse período está impactando e ainda irá impactar”, prossegue a profissional.

Dra Camila reforça. “Se você está em tratamento, tem alguma suspeita ou precisa fazer seus exames de rotina converse com seu médico para saber como continuar a cuidar de você. A vida continua e os cuidados com sua saúde devem continuar também. A detecção precoce do câncer de mama continua sendo importante mesmo diante da pandemia.

Ações

A reportagem do JP também esteve em contato com a Prefeitura, para saber a respeito de ações durante o Outubro Rosa. A administração municipal informa que serão realizadas ações preventivas e de orientação nas dependências do Centro de Referência da Mulher (CRM).

Exames de mamografia e de ultrassom de mamas foram previamente agendados, respeitando os critérios para evitar aglomerações devido à pandemia de Covid-19, e também será proferida palestra sobre o câncer de mama para número reduzido de pacientes do referido CRM.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *