Regimento Deodoro completa hoje 100 anos de uma rica história na cidade de Itu

Foto – Daniel Nápoli

Daniel Nápoli

Hoje (20) é uma data história para a cidade de Itu e para o Exército Brasileiro. Há exatos 100 anos, surgia o Regimento Deodoro, carinhosamente conhecido como o Quartel de Itu. Naquela oportunidade, contando com a presença maciça da população ituana, foi hasteado pela primeira vez, na fachada da unidade militar, o Pavilhão Nacional.

Sob o comando do Tenente Coronel Raphael Clemente Telles Pires, foi instalado então o Regimento, que em seu início contava com 29 homens em seu contingente e, a partir de então, uma rica história foi construída em conjunto com a sociedade de Itu.

Um ano após sua fundação, o Quartel recebeu a denominação de 4º Regimento de Artilharia Montada (4ª RAM), tendo participado sob esta nomenclatura da Revolução Constitucionalista de 1932.

Já durante a Segunda Guerra Mundial, no ano de 1942, o 4° RAM se deslocou até o Rio de Janeiro, com efetivo de guerra do 2º Grupo, passando pela cidade do Recife/PE e Maceió/AL, tendo ainda militares do Grupo embarcado para a Itália, integrando a Força Expedicionária Brasileira três anos depois, período em que o 4º RAM passou a se chamar 2º Regimento de Obuses 105.

Dois anos mais tarde, o grupo recebeu a denominação de Regimento Deodoro, após solicitação da comunidade ituana ao presidente da República na época, o então General Eurico Gaspar Dutra (posteriormente graduado Marechal).

A atribuição de “Regimento Deodoro” foi uma homenagem tanto ao Marechal Manuel Deodoro da Fonseca, que proclamou a República no Brasil, sendo o primeiro presidente da história do país, como também a Itu, “berço” das convenções republicanas.

Em 1977, uma nova mudança. A unidade militar passou a ser chamada de 2º Grupo de Artilharia de Campanha Propulsado – Regimento Deodoro, nomenclatura que permaneceu até o dia 1º de março de 2005, quando, após uma reestruturação da Força Terrestre, o Quartel foi denominado 2º Grupo de Artilharia de Campanha Leve – Regimento Deodoro, com seu material passando a ser o moderno e versátil obuseiro Otto Melara, de 105mm.

Função

Subordinado à 11ª Brigada de Infantaria Leve de Campinas, o Quartel de Itu é empregado em operações de Garantia da Lei e da Ordem, reguladas pela Constituição Federal, em seu artigo 142, pela Lei Complementar 97, de 1999, e pelo Decreto 3897, de 2001, com tais operações concedendo provisoriamente aos militares das Forças Armadas a faculdade de atuar com poder de polícia até o restabelecimento da normalidade.

As missões de Garantia da Lei da Ordem são realizadas por ordem expressa da Presidência da República e só ocorrem quando há o esgotamento das forças convencionais de segurança pública.

O Quartel ainda tem como função realizar tiros com peças de artilharia (obuseiros/canhões) de longo alcance, com o objetivo de neutralizar, eliminar ou perturbar a tropa inimiga, em caso de necessidade (eventual conflito).

Instalações

De 20 de janeiro de 1918 para os dias atuais, muita coisa mudou. Se o contingente foi iniciado com 29 homens, hoje o Quartel de Itu conta com um efetivo de aproximadamente 600 militares, além de possuir uma área de 425.800,5 m² (43 hectares), contando com uma significativa área de treinamento.

Ainda em suas instalações, no dia de hoje, está programada a inauguração de painéis que promovem uma “linha do tempo” do Regimento Deodoro, com fotos de diferentes épocas da unidade, com um breve histórico do período.

Operações

Ao longo de seus 100 anos, o Regimento Deodoro participou de importantes operações nacionais e internacionais. Além da presença na Revolução Constitucionalista de 1932 e na Defesa do território brasileiro durante a Segunda Guerra Mundial, já mencionadas, o Quartel de Itu atuou na Força de Pacificação do Haiti (entre 2013 e 2014), Força de Pacificação do Rio de Janeiro, em operações no complexo da Penha (2011), do Alemão (2012) e da Maré (2014), Força de Segurança da Copa do Mundo (2014) e Força de Segurança das Olimpíadas, em sedes de São Paulo (2016).

Curiosidades

Hoje, durante a solenidade do Centenário do Regimento Deodoro, haverá também a Passagem de Comando do 2º GACL, com o Coronel Erb Lyra Leal, deixando a função para o Tenente Coronel Ricardo Alves Pereira, que passará a ser o 58º comandante da unidade militar. Com tantos nomes importantes à sua frente, o Regimento Deodoro conta com algumas curiosidades a respeito disso.

Entre 1941 e 1942, por exemplo, o Quartel de Itu teve em seu comando o Coronel Euclides Hermes da Fonseca, filho do então ex-presidente da República Marechal Hermes Rodrigues da Fonseca, que governou o país entre 1910 e 1914, além de ser sobrinho-neto do Marechal Manuel Deodoro da Fonseca, também ex-presidente da República.

Outra curiosidade em relação aos comandantes se dá entre 1953 e 1954, período em que o Regimento Deodoro tinha à sua frente o então Coronel Waldemar Levy Cardoso, que posteriormente foi graduado Marechal, pois ao falecer no ano de 2009, no Rio de Janeiro, aos 108 anos de idade, ficou marcado como o último a possuir tal patente no país, uma vez que após a reforma estrutural no Exército Brasileiro, de 1967, tal graduação só passará a ser concedida a um General, em caso de guerra.

O Marechal Waldemar foi ainda homenageado em Itu, tendo participado das comemorações aos 90 anos da unidade, além de ter o pátio principal do 2º GAC L batizado com o seu nome.

Solenidade

O evento do Centenário do 2º GAC L – Regimento Deodoro, terá início às 9h deste sábado, com solenidade na Praça Duque de Caxias, na qual será lembrada a importante data, com a realização de discursos e homenagens.

Posteriormente, às 10h, já na parte interna do Regimento, será inaugurada a foto do Coronel Erb Lyra Leal na galeria dos ex-comandantes da unidade militar e logo depois, às 10h30, ainda no interior do 2º GAC L, haverá a solenidade de Passagem de Comando. O evento é aberto à população ituana. Confira algumas fotos:

 

 

 

 

 

 

 

Fotos – Arquivo/Regimento Deodoro

 

 

Todos os comandantes do Regimento Deodoro

Confira abaixo a lista com os nomes de todos os comandantes que passaram pelo Quartel de Itu ao longo destes 100 anos. Lembrando que a patente de cada um está condizendo com a época em que estiveram na cidade.

 

Ten. Cel. Raphael Clemente Telles Pires (20/01/1918-03/09/1918)

Ten. Cel. João Carlo Lamaignere Teixeira (12/02/1919-10/06/1920)

Cel. Melchescedech de Albuquerque Lima (01/10/1920-19/10/1921)

Cel. Pedro Frederico Leão de Souza (19/10/1921-19/05/1922)

Ten. Cel. Aurélio Amorim

(19/05/1922-11/10/1922)

Cel. Adolfo Lins

(11/10/1922-01/12/1923)

Cel. Francisco Escobar de Araújo

(01/12/1923-31/12/1924)

Cel. Archimino Pinto Armando

(01/08/1927-19/10/1928)

Cel. Epaminondas Teixeira Guimarães

(05/11/1928-29/12/1930)

Ten. Cel. José da Silva Barbosa

(05/12/1932-29/03/1933)

Cel. Heitor Pires de C. e Albuquerque

(30/03/1933-09/10/1936)

Cel. José Júlio de Oliveira

(25/01/1937-08/11/1937)

Cel. Graciliano Porto de Fontoura

(24/01/1938-02/06/1938)

Cel. Carlos de Oliveira Duro

(24/06/1938-06/03/1939)

Cel. Ciro Vidal

(06/03/1939-10/10/1940)

Cel. Otávio Saldanha Mazza

(10/10/1940-07/04/1941)

Cel. Euclides Hermes da Fonseca

(17/05/1941-02/02/1942)

Cel. Francisco Pereira da Silva Fonseca

(02/02/1942-14/09/1942)

Cel. Helrique Ricardo Holl

(28/07/1943-01/02/1945)

Cel. Álvaro Ribeiro Saldanha

(05/04/1945-10/12/1946)

Cel. Euclides Sarmento

(01/02/1947-20/06/1949)

Cel. José de Souza Carvalho

(25/06/1949-29/03/1951)

Cel. João de Deus Pessoa Leal

(16/05/1952-23/09/1953)

Cel. Waldemar Levy Cardoso

(23/09/1953-20/08/1954)

Cel. Antonio Vieira Ferreira

(30/12/1954-28/06/1955)

Cel. Araken de Oliveira

(10/03/1956-30/12/1957)

Cel. Ivanhoé Gonçalves Martins

(31/03/1958-14/07/1959)

Cel. Rubens Albes de Vasconcellos

(29/01/1962-02/04/1963)

Cel. Benedicto Maia Pinto de Almeida

(23/04/1963-30/06/1965)

Cel. Fausto de Carvalho Monteiro

(30/06/1965-01/07/1966)

Cel. João Mendes de Mendonça

(13/06/1967-28/02/1969)

Cel. Leônidas Pires Gonçalves

(28/02/1969-23/03/1971)

Cel. Arthur Mendes Falcão Filho

(23/03/1971-11/03/1973)

Cel. Romero Lepesqueur Sobrinho

(02/08/1973-18/11/1975)

Cel. Hélio Dominguez de Andrade

(18/11/1975-06/01/1978)

Cel. Walter Albano Fressati

(06/01/1978-18/01/1980)

Cel. Evaristo Antonio Brandão Siqueira

(18/01/1980-22/01-1982)

Cel. Luiz Mario Portocarrero C. Sá Freire

(22/01/1982-27/01/1984)

Cel. Francisco Roberto de Albuquerque

(27/01/1984-31/01/1986)

Cel. João Gonçalves Soares

(31/01/1986-05/02/1988)

Cel. Rubens Edison Pinto

(05/02/1988-07/02/1990)

Cel. Paulo José Abreu de Andrade

(07/02/1990-31/01/1992)

Cel. Gilberto Hugo Teixeira

(31/01/1992-31/01/1994)

Cel. Luiz Antonio Gonzaga

(31/01/1994-16/09/1994)

Cel. Reinaldo Cayres Minati

(10/10/1994-20/01/1997

Cel. João Tranquilo Beraldo

(20/01/1997-22/01/1999)

Cel. Carlos Alberto Vicente da Silva

(22/01/1999-12/01/2001)

Cel. Fernando Carlos Santos da Silva

(12/01/2001-25/01/2003)

Ten.Cel. Cezar Augusto Carazzai Castilho

(25/01/2003-22/01/2005)

Ten.Cel. Edson Diehl Ripoli

(22/01/2005-20/01/2007)

Cel. Carlos Sérgio Camara Saú

(20/01/2007-13/01/2010)

Ten.Cel.Freibergue Rubem do Nascimento

(13/01/2010-13/01/2012)

Ten.Cel. Fernando Bartholomeu Fernandes

(14/01/2012-17/01/2014)

Cel. Paulo Sérgio Maturana Lopes

(17/01/2014-20/01/2016)

Cel. Erb Lyra Leal

(20/01/2016-20/01/2018)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *