Uma partida de foot-ball no Collegio de S. Luiz, em Itu, em abril de 1890

Por Paulo Cezar Alves Goulart

No dia 28 de abril de 1890, nos pátios do Colégio São Luís, então na cidade de Itu, os alunos disputaram partidas de futebol que ganhariam um destaque especial: o evento tornou-se notícia de jornal.

O foot-ball já era divulgado pela imprensa brasileira, desde meados da década de 1880, mas referindo-se somente ao que ocorria especialmente na Europa. A notícia trazia bem poucas informações, era algo bem simples, mas representaria um fato novo na história do futebol do Brasil: pela primeira vez a imprensa divulgava uma partida de futebol local.

A partir destas partidas no Colégio São Luís em 1890, nasceria o mais antigo registro em jornais locais de uma partida de futebol disputada no Brasil.

O Colégio, que já tinha tido a primazia de introduzir o “bate-bolão”, a partir de 1880, e cujo desenvolvimento levaria à prática do futebol, foi também o protagonista desse outro marco histórico, ocorrido há exatos 130 anos, completados no dia 28 de abril de 2020.

E Itu foi o palco onde alunos do São Luís “desafiarão-se no jogo do foot-ball”, conforme noticiado pela imprensa.

Um ano após sua fundação em 1867, o Collegio de S. Luiz realizava sua primeira Solemne Distribuição de Premios. Tratava-se de um evento, e também nome da respectiva publicação (que viria a se tornar o Anuário do Colégio), cujo ponto alto da programação era a premiação dos alunos que mais se destacaram nas diferentes disciplinas.

Para o evento – o mais importante para o Colégio por vários anos e ocasião na qual se apresentava aos convidados o estágio educativo e cultural que havia alcançado –, além da programação que incluía discursos, missa e jantar comemorativo, os alunos eram preparados para fazer apresentações de teatro, da banda musical, declamações, demonstrações de experiências físicas e exibições esportivas, além de outras.

Alguns anos depois, passou-se a organizar outra grande festividade, destinada a homenagear o Reitor do Colégio. O Padre José Maria Mantero, nascido no dia 18 de maio de 1839, tornou-se Reitor do Colégio em 1877, permanecendo na função até 1893, tendo sido homenageado também em algumas ocasiões, como o seu aniversário.

Em uma destas ocasiões, no dia 28 de abril de 1890, num domingo, realizou-se “a festa annual com que o corpo docente e os alumnos do collegio de S. Luiz costumão solemnisar o anniversario do reitor daquelle estabelecimento, o Revm. Padre J. M. Mantero” (Jornal do Commercio, 8 de maio de 1890 – grafia de época).

Para o evento, as pilastras que davam para os pátios foram adornadas com escudos e bandeirolas, e com a bandeira da república recente. Missa na capela do Colégio, com orquestra e vozes, às 6h45, seguida de entrega ao Padre Mantero de seu retrato pintado a óleo, execução do Hino Nacional pela banda do Colégio, récitas de poesias e discursos são finalizados por uma marcha e valsa executados pela banda, concluindo a primeira etapa do evento.

Às 13h, sermão do Padre Poggioli e bênção na capela do Colégio, seguindo-se uma apresentação da Banda Musical dos Artistas, no jardim do Colégio. Fogos e balões foram festivamente soltos. A sineta do Colégio deu o sinal para o jantar que ocorreria no imenso salão do refeitório, enfeitado com flores e balões. Nos intervalos houve execução de peças musicais, poesias foram recitadas e discursos pronunciados. Às 18h encerrou-se o jantar, com algumas falas, discursos e, às 19h30, um espetáculo dramático.

Além dessa série de atividades, o programa do evento deixava claro que haveria “jogos Gymnasticos” como corridas, barra fixa e jogos de destreza. Mas uma competição especial chamava a atenção: era o jogo de “Foot-ball, entre a 1ª e a 2ª divisão”.

Assim, por volta das 17h desse dia 28, após serem servidos refrescos, os convidados tiveram uma surpresa:

“[…] duas turmas de alumnos diversamente uniformisados, marchando á militar e ao som das trombetas, entrárão na estacada e divididos em dous campos quatro grupos desafiarão-se no jogo do foot-ball, e por uma meia hora arrancárão applausos de todos os circumstantes, que sentião-se arrebatados á vista da ligeireza, do ardor e do entusiasmo dos jogadores.” (Jornal do Commercio, 8 de maio de 1890 – grafia de época).

Os alunos do Colégio já haviam se habituado, desde uma década antes, a praticar o “bate-bolão”, modalidade criada no Colégio a partir das informações de um livro de regras, Les Jeux de Collége, que o Padre Mantero havia trazido de sua viagem à Europa, por volta de 1880, e no qual se descrevia como deveria ser praticado o jogo de futebol. Além disso, o Padre Mantero também trouxe bolas de futebol, utilizadas para a prática do esporte em colégios jesuítas europeus.

Com o desenvolvimento gradual da brincadeira do “bate-bolão”, desde 1880, o esporte chegou, conforme se deduz da notícia, a algumas das características básicas do “foot-ball”,  nessa tarde do dia 28 de abril de 1890.

Com certeza, já haviam avançado um tanto em relação ao “bate-bolão”.  Já havia equipes – formadas por quatro grupos de alunos – as quais apresentavam-se “diversamente uniformizados”, confirmando tratar-se de equipes adversárias com seus uniformes caracterizando cada um dos times. Havia ali, efetivamente, uma disputa cujo objetivo era sair-se vencedor pois, afinal, “desafiarão-se no jogo do foot-ball”.

Nos cerca de 30 minutos que jogaram, gols foram marcados? E, para os eventuais gols marcados, havia balizas ou ainda seriam chutes em determinado local da parede, conforme se praticava no bate-bolão?

Depois da “ligeireza, do ardor e do entusiasmo dos jogadores”, quais foram, por fim, os resultados dos jogos? A assistência teria visto faltas, laterais, escanteios, tiros de meta, etc.? E, depois que os convidados e demais presentes acompanharam todos os lances da partida, “terminou a festa pelo diálogo – Quem ganhou? – entre os Srs. Juvenal de Freitas Felinte de Araujo e Fausto de Lacerda” (Jornal do Commercio, 8 de maio de 1890 – grafia de época).

Ainda que, eventualmente, não estivessem sendo seguidas todas as regras então estipuladas pela Football Association, ali nos pátios do Colégio, com certeza, e conforme a própria notícia esclarece, os alunos estavam jogando “foot-ball”.

O leitor do periódico carioca Jornal do Commercio, que havia transcrito informação originalmente na publicação Cruzeiro, talvez soubesse do que se tratava esse tal “jogo do foot-ball”, talvez  não. O termo “foot-ball” já era veiculado por jornais brasileiros desde meados da década de 1880, porém referindo-se à prática existente na Europa. Porém, era a primeira vez que a imprensa veiculava a palavra “foot-ball” associada a uma partida local.

Este importante registro, feito pela imprensa, somente pôde acontecer porque alguns jornalistas haviam sido convidados a estar presentes no evento. Pelo menos dois jornais estiveram ali representados: o Cruzeiro, do qual foi reproduzida a matéria no Jornal do Commercio, e Imprensa Ytuana, um dos mais importantes de Itu no século XIX. Curiosamente, as matérias veiculadas nesses jornais são as mesmas, exceto justamente o trecho em que o futebol foi mencionado, o qual foi omitido no Imprensa Ytuana.

E o termo “foot-ball”, constante da matéria em ambos os jornais, teria sido aplicado em função do conhecimento do próprio jornalista ou alguém do Colégio teria informado que esse era o nome como o esporte era conhecido?

Independente dessas dúvidas, a divulgação do evento pela imprensa revelou outros três fatos bastante importantes:

1) É a primeira vez que a palavra “foot-ball”, associada ao Colégio São Luís, foi publicada pela imprensa.

2) Entre os diversos colégios da época, o São Luís foi também o primeiro a ter divulgada pela imprensa a prática do futebol.  O registro mais antigo conhecido referia-se ao Gymnasio Mineiro, em Ouro Preto/MG, que em seu regulamento escolar informava, pelo jornal O Estado de Minas Geraes, de 16 de julho de 1891, conforme artigo 77, que: “São permittidos como jogos escolares: a barra, foot ball,  a peteca, o jogo da bolla  […]”.

3) E, principalmente, até o momento é a mais antiga citação em jornais da palavra “foot-ball” associada ao esporte praticado no Brasil.

A informação veiculada no Jornal do Commercio é, assim, mais um valioso documento, único até aqui, que dá um brilho especial aos primórdios do futebol no Colégio São Luís, acrescentando, às origens do futebol no Brasil, um singular e inédito documento comprobatório do pioneirismo do Colégio na mídia de época, tornando pública a existência do “foot-ball” praticado no Brasil.

Obs: A publicação Cruzeiro, de onde foi transcrita a matéria integral para o Jornal do Commercio , não foi localizada.

Referências
A informação transcrita do Jornal do Commercio, de 8 de maio de 1890, foi coletada pelo pesquisador de futebol Moisés Henrique Goncalves Cunha.
– Goulart, Paulo Cezar Alves. Pontapé inicial para o futebol no Brasil: o bate-bolão e os esportes no Colégio São Luís: 1880–2014. Vargem Grande Paulista: A9 Editora, 2014.
– Goulart, Paulo Cezar Alves. Campos, estádios e arenas… começa o espetáculo! Vargem Grande Paulista: A9 Editora, 2014.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *