Exposição “Tarsila depois de Tarsila” é inaugurada no Museu Republicano em Itu

A exposição ficará em cartaz até 30 de junho de 2025 e poderá ser conferida gratuitamente de terça a domingo, das 10h às 17h (Foto: Daniel Nápoli)

O Museu Republicano “Convenção de Itu” abriu na quinta-feira (04) a exposição  “Tarsila depois de Tarsila”, que apresenta telas pintadas pela artista Tarsila do Amaral (1886-1973) entre os anos 1930 e 1940. As obras são os retratos de homens que atuaram no cenário político e religioso do passado brasileiro, com destaque para participantes da “Convenção de Itu”, que foram encomendados pelo então diretor do Museu Paulista, Afonso Taunay.

Entre as obras expostas em “Tarsila depois de Tarsila”, cinco são ampliações a óleo de imagens fotográficas dos convencionais de Itu, garimpadas junto a seus familiares. Ou seja, nestas telas os traços estilísticos característicos da pintora são quase imperceptíveis.

A Profª Dra. Ana Paula Cavalcanti Simioni, curadora da exposição, falou à reportagem do Periscópio. “A gente conhece muito a Tarsila dos anos 20, o que a gente mais conhece dela em produção, enquanto companheira do Oswald [de Andrade], a Fase Pau-Brasil e Antropofágica. Depois dos anos 30 até a morte dela em 1973 é um período muito menos abordado da produção dela, tanto pelos historiadores quanto museus e exposições, mas ela trabalhou bastante, sobretudo nos anos 30 e 40, ao contrário do que se imagina. Ela trabalhou sob encomenda, fazendo retratos, fez muitas crônicas para jornais”, conta.

“É importante a gente pensar que a artista teve uma vida mais longa do que aquela que a história da arte reteve. Então, a importância dessa produção dos anos 30 é entender que ela a faz sob encomenda como uma obra menos autoral, por isso que a gente não reconhece o que a gente imagina da Tarsila olhando essas pinturas, porque ela está respondendo uma encomenda”, prossegue.

Ainda de acordo com a curadora, Tarsila aceitou as encomendas por uma série de fatores. “Em 1929 ela perdeu fortuna, depois se separou do Oswald e teve que trabalhar como artista pra viver e essas encomendas vieram em boa hora. Durante o Estado Vargas ela não teve muitas oportunidades de trabalho e o mercado artístico era muito pequeno naquela época. A exposição tem importância histórica e sociológica por resgatar esses trabalhos e mostrar ao público. As telas foram todas restauradas. Foi um trabalho em equipe”, destaca.

Supervisora do Museu Republicano “Convenção de Itu”, Profª Dra. Maria Aparecida de Menezes Borrego falou ao JP que a mostra começou a ser trabalhada há anos. “Essa é uma exposição que a gente vem pensando há 10 anos, desde que assumi a supervisão. Nós temos telas de Tarsila aqui em Itu e em São Paulo e elas nunca foram expostas em conjunto. Essa é a grande novidade da exposição, a gente juntar essas obras feitas em um momento posterior ao seu reconhecimento no modernismo, com trabalhos mais tradicionais”, destaca.

A exposição ficará em cartaz até 30 de junho de 2025 e poderá ser conferida gratuitamente de terça a domingo, das 10h às 17h. O Museu Republicano fica localizado na Rua Barão de Itaim, 67, Centro. Para mais informações, envie um e-mail para o Serviço Educativo edu.mrci@usp.br ou entre em contato por telefone (11) 4023-0240, ramal 3.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *