Diplomação de deputados em São Paulo é marcada por confusão

Momento em que Jesus dos Santos é retirado do palco onde ocorria a cerimônia de diplomação / Foto: Felipe Rau/Estadão Conteúdo

Ontem (18), na Sala São Paulo, na capital paulista, a solenidade de diplomação do governador eleito João Doria (PSDB), dos senadores eleitos Major Olímpio (PSL) e Mara Gabrili (PSDB) e de 94 deputados estaduais e 70 federais contou com confusão envolvendo a futura representante ituana na Assembleia Legislativa, Mônica Seixas (PSOL).

Isso porque, durante a diplomação, Jesus dos Santos, integrante da bancada coletiva encabeçada pela deputada estadual eleita – a “Bancada Ativista” –, subiu no palco e foi impedido de ali permanecer por seguranças. Militante dos movimentos negro e cultural, Jesus esteve neste ano na redação do JP concedendo entrevista ao lado de Mônica.

Jesus, que tinha como objetivo participar da foto junto com o documento, foi agarrado e puxado à força para fora do palco, sendo que durante o ato contra o co-deputado, a plateia gritou “fascistas não passarão”. Em meio à confusão, que fez com que a cerimônia fosse paralisada em 20 minutos, o deputado federal eleito Alexandre Frota (PSL) também ajudou a impedir que o membro da bancada se unisse aos demais parlamentares.

Aos jornalistas presentes, Mônica disse que existia um acordo prévio com o Tribunal Regional Eleitoral (TRE) para que os nove integrantes da bancada recebessem juntos o diploma no palco, com Jesus sendo o único barrado naquela ocasião.

Após o ato, o co-deputado, ao ser questionado pelos jornalistas, disse que foi vítima do “racismo estrutural, que ainda vê o preto, o periférico, a mulher, como um agressor, um vagabundo e que em nenhum momento pararam para saber quem eu era, dizendo simplesmente que ali não era o meu lugar”. Jesus ainda acrescentou: “O que ocorreu nada mais foi do que a celebração da branquitude. É racismo estrutural que continua matando em nosso país”.

De acordo com o site UOL, em entrevista coletiva após a solenidade, Frota afirmou que agiu corretamente e fez ameaças. “Eu fiz o certo. Da próxima vez que ele [Santos] pular no palco, eu vou insultar e continuar segurando ele fisicamente. Ele ainda deu sorte de eu não ter jogado ele na plateia”, disse.

A diplomação ainda contou com a presença de outros dois representantes da cidade de Itu, o deputado estadual Rodrigo Moraes (DEM) e o federal Herculano Passos (MDB), ambos reeleitos para seus mandatos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *